ECONOMIA

R$ 5 é o preço médio do litro da gasolina no Brasil.


Divulgação

O preço médio da gasolina nos postos do Brasil ultrapassou a marca de R$ 5 por litro na primeira quinzena de fevereiro, em meio a um avanço das cotações do petróleo no exterior, apontou nesta quarta-feira pesquisa da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

Na primeira metade deste mês, o valor do litro da gasolina nas bombas cresceu 4,08% ante a média registrada em janeiro, para R$ 5,04 por litro, o maior patamar da série história da ValeCard, que tem início em junho de 2019 e não considera a inflação.
 
Foi a oitava alta consecutiva do combustível, segundo a ValeCard.

O cenário de preços em alta nos postos vem com o impulso de reajustes realizados pela Petrobras nas refinarias do país, que têm como referência preços internacionais do petróleo, além do câmbio.

A petroleira elevou por três vezes o preço do combustível neste ano, sendo duas vezes em janeiro (em 7,6% e 5%, respectivamente) e uma em fevereiro (8%).

Na primeira quinzena deste mês, São Paulo foi o Estado com o menor valor médio da gasolina, de R4 4,63 por litro. Já o Acre registrou o litro mais caro, a R$ 5,48. 
 
A maior alta de preços na quinzena ocorreu no Amazonas (5,74%) e a menor na Paraíba (2,7%). Todos os Estados tiveram aumento no valor médio do litro do combustível. 

Entre as capitais, Curitiba registrou a menor média de preço na quinzena (R$ 4,597 por litro), enquanto o Rio de Janeiro teve o valor mais elevado (R$ 5,335 por litro).  

A reguladora ANP, em seu mais recente levantamento de preços, apontou alta de 1,34% da gasolina em postos do país na semana passada, para uma média de R$ 4,833 o litro nas bombas.

Foi a oitava semana consecutiva de ganhos no preço da gasolina, segundo a agência reguladora, cuja série histórica nunca registrou valores médios acima de R$ 5 por litro para o combustível, mesmo sem considerar a inflação.
 
Em meio a esse cenário de preços, o governo vem estudando uma forma de reduzir a exposição do mercado brasileiro à volatilidade das cotações internacionais, mas ao mesmo tempo sem impor medidas que possam abalar a independência e o balanço financeiro da Petrobras, que detém atualmente quase 100% da capacidade de refino do país.

Na sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro encaminhou ao Congresso um projeto de lei que propõe alterar a cobrança do ICMS sobre combustíveis, com o objetivo de estabelecer uma alíquota de imposto uniforme e específica, reduzindo a volatilidade e aumentando a previsibilidade.

A medida veio diante de ameaças de uma nova greve de caminhoneiros, com a categoria pressionando o governo federal devido aos altos valores do diesel, combustível mais consumido do Brasil.

O levantamento da ValeCard é feito por meio do registro das transações realizadas com o cartão de abastecimento da companhia, em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados.
 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb