SAÚDE

Variante Ômicron faz infecções por Covid crescerem 38,7% no Brasil


Foto:(Hugo Barreto/Metrópoles)

Mais contagiosa, a variante Ômicron do coronavírus, causador da Covid-19, acelerou em 38,7% os adoecimentos no país e mudou totalmente o cenário epidemiológico observado pelas autoridades sanitárias.

Desde que a cepa foi identificada no Brasil, em 30 de novembro passado, o número de contaminações passou de 22.100.158 para 26.486.759, até o último domingo (6/2). Em 68 dias, o total de casos confirmados subiu 4.386.601.
 
Para efeitos de comparação, de 20 de novembro de 2020 a 6 de fevereiro do ano passado, o total de infecções notificadas cresceu 3.160.845.

A reportagem usou como base dados divulgados pelo Painel Rede CoVida, iniciativa conjunta do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs), ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Bahia, e da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Segundo a Fiocruz, a variante Ômicron corresponde a 95,9% dos genomas sequenciados em janeiro de 2022 no Brasil, sendo encontrada em todas as regiões do país. Em dezembro, o índice era de 39,4%. Apesar de mais contagiosa, a cepa é menos agressiva.

Uma série de aspectos devem ser observados na análise. Neste período, o conhecimento científico sobre a doença aumentou. Além disso, a vacinação é peça fundamental para o controle do vírus.
 
Nova cepa

O panorama preocupante surge em meio à descoberta de uma nova linhagem do vírus circulando no país.

Relatório da Rede Genômica da Fiocruz encontrou amostras da variante BA.2 da Ômicron no Rio de Janeiro, em São Paulo e Santa Catarina. O subtipo é mais transmissível.

Segundo pesquisadores, o subtipo é até 33% mais contagioso do que a versão original da variante Ômicron (BA.1) e tem maior capacidade de infectar pessoas já vacinadas.

A vacinação

O incremento de casos ressalta a importância da vacinação. A comunidade médico-científica é categórica ao afirmar que a imunização é indispensável para reduzir complicações da doença.

Um estudo internacional, realizado por pesquisadores americanos e holandeses, mostra evidências de que duas doses de vacinas contra a Covid-19 mantêm a imunidade de memória, produzida pelas células de defesa ou células T, em níveis elevados para combater a Ômicron e outras variantes do coronavírus.

Pesquisas anteriores mostraram que a nova variante tem escape parcial das vacinas, driblando os anticorpos neutralizantes que haviam sido produzidos. Apesar disso, os imunizantes continuam a oferecer proteção contra hospitalizações e morte por Covid nas pessoas com o esquema vacinal completo.
 
Suscetíveis

Especialistas apontam que o aumento da contaminação está concentrado em grupos de pessoas que não receberam a dose de reforço e não vacinados, que acabam ficando mais suscetíveis a quadros graves da infecção pela Covid-19 e suas variantes.

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha, a terceira dose já mostrou ser capaz de criar alta proteção contra o vírus. Ele frisou que negligenciar a dose extra impacta negativamente o cenário pandêmico, além de trazer consequências que podem ser fatais à população.

"Não receber o reforço ameaça os índices de proteção e contribui com o aumento de casos da doença, principalmente a causada pela variante Ômicron - cepa prevalente no país -, que, mesmo considerada mais branda, tem sido responsável por levar muitos infectados às unidades de saúde. É importante que nossa população se vacine completamente", salienta Cunha.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM






SAÚDE  |   29/06/2022 16h01


SAÚDE  |   28/06/2022 15h59







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb