CENÁRIO URBANO

Sérgio Camargo sobre Moïse: "Vagabundo morto por vagabundo mais forte"


Foto:(Rafaela Felicciano)

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, se manifestou sobre a morte do congolês Moïse, assassinado por cobrar diárias de trabalho em quiosque no Rio de Janeiro. Camargo definiu o homem como "vagabundo morto por vagabundos mais fortes".

De acordo com o dirigente da Fundação Palmares, o assassinato não teve relação alguma com a cor de pele de Moïse, que era negro, e sim com o "modo de vida indigno e o contexto de selvageria no qual vivia e transitava".
 

Sérgio Camargo afirmou que o congolês "negociava com pessoas que não prestam". A manifestação, feita nas redes sociais, foi alvo de diversas críticas.

A Polícia Militar do Rio abriu investigação para apurar as denúncias de intimidação por parte de agentes feitas a parentes do congolês Moïse Kabagambe. Os familiares desistiram, nesta sexta-feira (11), da concessão dos quiosques onde o crime aconteceu.
 
De acordo com o jornal O Globo, o procurador da comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, Rodrigo Mondego, explicou que o motivo da desistência da família foi medo. "A família não quer mais aqueles quiosques depois que o dono disse que não sairia. Estão com medo", afirmou o procurador ao O Globo.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



CENÁRIO URBANO  |   04/07/2022 17h40





CENÁRIO URBANO  |   30/06/2022 15h53


CENÁRIO URBANO  |   28/06/2022 19h05







google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb