ECONOMIA

Frete x Diesel. Com aumento do diesel, autônomos vendem caminhões e abandonam a boleia.


Alexsandro Bastos, 37, da Bahia, é motorista profissional há 19 anos. Ele está guardando dinheiro para deixar de ser caminhoneiro. Foto: (Arquivo pessoal)

O número de caminhoneiros autônomos vem caindo nos últimos anos. De acordo com a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), o Brasil tinha 919 mil transportadores autônomos cinco anos atrás. Em 2021, o órgão estimou que esse número caiu para 696 mil motoristas, uma queda de 24%.

O aumento dos preços dos combustíveis e a defasagem do frete são os principais vilões dessa história, além da alta dos custos de manutenção dos caminhões.

José Roberto Stringasci, presidente da Associação Nacional de Transporte do Brasil (ANTB), diz que muitos motoristas estão optando por deixar a profissão. "Um monte de gente já parou o caminhão, vendeu ou voltou a ser empregado de transportadora", afirma.
 
É o caso do baiano Alexsandro Bastos, de 37 anos e motorista profissional há 19 anos. "Vendi meus dois caminhões e preferi trabalhar para uma transportadora. Infelizmente, não compensa ter caminhão no Brasil. Você tem muita punição, pouco benefício e uma vida de escravidão na estrada. Eu vivia para o trabalho e não via a minha família", disse.

Segundo o motorista, que costumava fazer viagens entre São Paulo e cidades do Nordeste, 75% do custo do frete de um motorista autônomo vai em gastos de viagem. "Hoje, um frete de São Paulo para Recife custa R$ 12 mil. Desse valor, R$ 9.000 são diesel e pedágio", afirma.

O lucro de R$ 3.000 pode parecer bom em um primeiro momento, mas parte desse dinheiro é utilizada no retorno, já que o frete para voltar à cidade de origem costuma ser mais barato. Além disso, é preciso descontar gastos com alimentação e manutenção do caminhão.

Como autônomo, Alex costumava fazer duas viagens dessas por mês, já que são seis dias para ir e outros seis dias para voltar. Por isso, o motorista calcula que conseguia tirar entre R$ 3.000 e R$ 4.000 livre.
 
Agora, dirigindo para uma transportadora, ele tem uma remuneração maior. "Eu consigo tirar na faixa de R$ 5.500 de salário. O valor fixo na carteira é o valor do sindicato [R$ 2.186,43, de acordo com o SETCEB]. O restante é de comissão em cima do frete que a empresa cobra", completa.

Apesar disso, o motorista pretende deixar a profissão nos próximos dois anos após juntar algum dinheiro extra. "[Com a venda de um dos caminhões] eu comprei um terreno, onde quero construir uma mercearia na Ilha de Itaparica, na Bahia", conta.

Dados do site de transporte Fretebras mostram a diferença entre reajuste de fretes e do óleo diesel. Entre fevereiro de 2021 e fevereiro de 2022, o frete médio por quilômetro rodado teve um aumento de apenas 1,96%. No mesmo período, o preço do diesel subiu 41,48%.

O levantamento analisou mais de 8 milhões de fretes registrados na plataforma da Fretebras. O site conta com 675 mil caminhoneiros autônomos registrados e 17 mil empresas, que fazem entregas em 95% do território nacional.

 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM





google.com, pub-8716156245551661, DIRECT, f08c47fec0942fa0 facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb facebook-domain-verification=8oizd3j6a3sk7a47ngn154tlepi1hb